Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Viver é Caminhar

Viver é Caminhar

Conversas privadas no facebook

Existem coisas que detesto.

Detesto conversas que não dizem respeito aos outros espalhadas em murais de facebook.

Conversas do interesse se certas e determinas pessoas são para postar no âmbito de mensagens privadas, não no mural.

Desculpem mas não me interessa saber assuntos do interesse de meia dúzia. Qual é o intuito de colocar no mural?

Bom senso meus amigos, bom senso!

Santa Paciência!!!

 

 

O que é educar?

 

Vi a noticia do Expresso sobre a educação sexual, aqui e fiquei a pensar,

Definição de educação, no dicionario, aqui:

"Conjunto de normas pedagógicas tendentes ao desenvolvimento geral do corpo e do espírito.; Conhecimento e prática dos usos considerados correctos socialmente. = CIVILIDADE, CORTESIA, POLIDEZ"

Definição de educar, no dicionario:

"Dar educação a."

 

Como vamos quer educar as nossas crianças? Que todos os caminhos são validos? 

Ou que existe a possibilidade de recorrer ao aborto, como o fim da linha?

Devemos educar para evitar ou para remediar? Vamos educar a serem responsáveis ou a não se preocuparem que depois se não quiserem ser pais que isso também se resolve?

Educar para o facilitismo? Mas será que a vida é facil?

Que Homens queremos neste novo seculo?

 

 

 
 

Onde fica o amor?

IMG_0046.JPG

Chegou a Caras cá a casa e ao desfolhar à espera de novidades banais me deparo com esta declaração.

 

Se o amor da vida dele lhe bater a porta, ele não vai abrir, porque ele não tem tempo. "é pah esquece, eu agora não posso. Bate a porta daqui a uns 4 anos e depois logo se vê se tenho agenda."

Que tempo é este? andamos cá a fazer o quê? a correr para onde?

E fica assim o amor reduzido a um mero compromisso de agenda.

Já não já canções de amor, é o que é! Resta-me recordar Rui Veloso... às vezes a vida é crua... 

Pensar duas vezes

Existem pessoas que não pensam duas vezes no que vão dizer.

Não me via a para ai um ano e o que é que me disse quando me encontrou?

"É pah parecias um rapazito nem te estava a conhecer!!!(a rir)”.

Simpático não é?

Eu respondi "Credo que horror!"

E ficou por ali só passado um quarto de hora é que consegui perdoar e ter uma conversa tranquila.

Não sou de ferro, e perdoar as vezes custa.

Dizer tudo o que se pensa não é ser corajoso ou independente as vezes é falta de sensibilidade.

 

 

 

Dizer em Voz Alta

Temos de ter a coragem de dizer abertamente que passamos por abortos espontâneos.

Fazê-lo com a mesma naturalidade que dizemos que tirámos a vesicula.

Queria eu já estar neste patamar.

Acontece que não consigo dizer abertamente, não por vergonha, não por ficar deprimida, mas porque as pessoas iam olhar para mim como coitadinha. Porque é assim que elas olham para todas as pessoas que passam por dificuldades em engravidar, eu vejo bem os olhos delas.

Não fazer por mal, mas fazem.

Acho que só vou conseguir dizer depois de ter conseguido uma gravidez depois das 12 semanas. Queria ser mais corajosa do que sou. Queria poder dizer a todas que passam por isto que não estão sozinhas e que isto não é o nosso fim nem o fim dos nossos sonhos.

Queria dizer que isso é natural, que acontece a muitas mais pessoas do que conseguimos imaginar.

Queria poder dizer em voz alta o que hoje sinto, "Sim passei por dois abortos espontâneos, sofri, chorei, mas estou a  conseguir ser feliz".

Passar por isto é horrível e só quem passou sabe o que se sente, é triste, é doloroso.

Mas a memoria não é feita só de sangue, lagrimas e gritos de dor. É também feita de abraços, de telefonemas que recebemos na hora exacta, das orações que fazemos ao ser que parte. O Amor também é saber aceitar que somos frágeis e que a vida é frágil, mas o Amor é imensamente maior que todas as dores. 

Continuar a caminhar no Amor, custa mas é o único caminho.

Gémeos? que conversa é essa?

Sempre sonhei ser mãe desde pequena. Desde que brincava com bonecas ou inventava historias com as barbies.

Lembro-me de ter 14 anos e sonhar ter um casal de gémeos e depois ter só mais um filho. Nessa altura parecia tranquilo e possível.

Com o tempo a passar essa ideia dos 3 foi indo embora e a dos gémeos também, desde que uma amiga mais velha que eu teve uma barriga enorme, fiquei impressionada parecia que ia rebentar, nunca mais pensei em pedir por gémeos.

Reduzi os sonhos a dois filhos.

Acontece que o meu marido quer 3, e eu ainda não sei lidar com isso.

Depois de perdermos dois fetos, as 8 e as 10 semanas, pedir por 2 ou por 3 parece complicado e até mesmo impossível.

Ontem na festa de aniversário do meu sogro a prima dele disse" Sabes que poder ter filhos gémeos?"

Fiquei vermelha e pensei "que conversa é essa que ninguém me disse nada antes? Como assim?".

Ela teve filhos gémeos, a tia dela também e por isso o gene pode ter sido passado do meu sogro para o meu marido.

Foi Pânico! Barriga a rebentar, dois a chorar, carrinhos, papas...

 

 

E depois é este misto de ter medo de ter gémeos, e medo de não conseguir ter um.

O certo é que a vida puxa-nos sempre para ela, mesmo sem percebermos ela nós atira para ela mesma.

Não podemos ter medo, vamos tentar de novo.

E vai a vida acontecendo.

 

Vestidos até à ponta do cabelo

Bom dia!!

 

Acordei e abria  a cortina e o sol  ainda não tinha nascido.

Meti o meu gorro, enrolei o cachecol, calcei as luvas e vesti o casaco.

Eu imaginava o que me esperava... sim hoje estavam -3ºC quando sai da casa.

Tive de esperar que o gelo do vidro do carro derretesse para poder seguir viagem.

 

Mão geladas, nariz frio. A vida para quem se tem de levantar cedo nestes dias de Inverno.

 

Fotos de Viagens

Sabem as vezes dou por mim a pensar que muitas pessoas que colocam fotos delas nas redes sociais sobre viagens ao estrageiro que realizam, penso que não o deviam fazer.

Eu passeio com alguma regularidade desde criança, por Portugal e pelo estrangeiro.

Sim sou uma sortuda, os meus pais podiam e eu e o meu marido hoje também podemos.

Acontece que tenho muitas amigas e amigos que não podem. Por que a vida e os salários deles não permitem, ou porque não tem trabalho.

E penso nelas todas as vezes que tenho um impulso de colocar fotos dos meus passeios.

Como é que se iam sentir? Eles ao ver as fotos até se podem sentir tristes e frustrados. 

As viagens e os passeios são para quem os faz, são vivências apenas nossas, é pessoal.

 

Para que serve colocar fotos nossas de viagens nas redes socias? Vaidade? Sentimento de vazio? Ou porque não pensamos nesta consequência?

Por cá, vou continuar a domar o instinto de as querer publicar.

 

 

Pág. 1/2